As cenas mais perigosas de Jackie  (PERIGO) escrito em terça 12 fevereiro 2008 18:42

.:: Top 10 de perigo ::.
· 1.Shantytown Stakeout - "Police Story - A Guerra das Drogas" (Police Story)
Jackie corre atrás de um ônibus apenas com um guarda-chuva na mão. Então ele pula e se agarra no pára-choque do ônibus usando o cabo de seu guarda-chuva. Jackie é carregado durante vários metros. Ele tem até que desviar de outros carros que vêm em sua direção.

· 2.The Great Glass Slide - "Police Story - A Guerra das Drogas" (Police Story)
Esta cena é repetida três vezes seguida no filme, o que prova que Jackie realmente gosta dela. Ele pula do 3º andar numa barra vertical que vai do teto do shopping ao chão. Além disso, a barra está cheia de luzes de natal. O choque é inevitável. Jackie escorrega três andares e cai num chão duro em menos de 3 segundos.

· 3.Clock Tower Tumble - "Projeto China" (Project A)
Jackie está pendurado no ponteiro de um relógio de uma igreja. Abaixo dele, cinco andares para o chão e dois toldos, um no 3º andar e outro no 1º andar. Jackie se solta, rasga os dois toldos com o corpo e cai direto no chão de pescoço.

· 4.An Aerial Tour of Kuala Lumpur - "Police Story III - Supercop" (Police Story III - Supercop)
Jackie pula de um prédio para uma daquelas escadas de corda pendurada num helicóptero. Ele é carregado por toda cidade de Kuala Lumpur nesta escada. Além disso, ele ainda esbarra em telhados e "outdoors" pelo caminho. Para finalizar, Jackie ainda desvia de um trem que vem em sua direção.

· 5.Going Down ... - "Quem Sou Eu?" (Who Am I?)
Nessa cena, Jackie desce um prédio de 50 andares pelo lado de fora. Os vidros do prédio são como um escorregador para ele chegar até lá embaixo. Mas faltando três andares para o chão, este "escorregador" acaba, então ele logo se agarra a uma janela lateral do prédio, caso contrário ele cairia.

· 6.The Walls Come Tumblin' Down - "Projeto China 2 - A Vingança" (Project A II)
Uma parede de madeira, de mais ou menos uns quatro andares, começa a despencar. Jackie deve se posicionar no lugar exato para que a janela passe por ele, sem que a parede o atinja. Ele copiou esta cena de um filme mudo que assistiu nos Estados Unidos.

· 7.No Way to Ride a Bus - "Police Story II - Codinome Radical" (Police Story II)
Jackie começa esta cena pulando de uma marquise para o topo de um ônibus. Deste ônibus ele pula para outro ônibus, este em movimento. Depois, ele vai a cima deste ônibus desviando de placas e semáforos. Para finalizar, Jackie pula para uma sala, passando por uma janela de vidro.

· 8.Down, Down, and Away - "A Armadura de Deus" (Armour of God)
Esta é uma cena incrível, porém, é difícil de saber se foi realmente Jackie Chan que a fez ou foi um pára-quedista profissional. Ele salta de uma montanha e, sem pára-quedas, aterrissa no topo de um balão depois de uns 15 segundos de queda livre.

· 9.Roller Boogie - "Perdedores e Vencedores" (Winners and Sinners)
Jackie, usando patins, pula por cima de um fusca estacionado usando-o como uma rampa e depois passando de baixo de um caminhão em movimento. A 1ª vez que Jackie andou de patins para um filme foi em 1980 em "O Grande Lutador" (Battle Creek Brawl).

· 10.Cycle Thriller - "Um Kickboxer Muito Louco" (Armour of God II: Operation Condor)
Jackie pula de uma moto em alta velocidade e se agarra em uma rede que reveste uma caixa suspensa por um guindaste acima do mar. Vale lembrar que a perseguição de moto anterior a esta cena também é muito boa.

permalink

As melhores cenas de luta, escolhidas pelo próprio Jackie Chan  (LUTAS) escrito em terça 12 fevereiro 2008 18:37

.:: Top 10 de Lutas ::. · 1.Jet Fighter, Part Two - "Detonando em Barcelona" (Wheels on Meals) Benny "The Jet" Urquidez é um grande lutador e é um dos poucos lutadores ocidentais que tem chances de lutar em igualdade contra Jackie Chan. Além disso, Sammo Hung e Yuen Biao lutam no mesmo tempo contra outros lutadores. Biao usando muitas acrobacias e Sammo usando sua habilidade com armas. · 2.Mall Brawl - "Police Story - A Guerra das Drogas" (Police Story) Não são apenas as cenas de dublê que fazem esse filme um dos melhores de Jackie Chan. As cenas de luta também são incríveis. Destaca-se entre elas a cena de luta no shopping, no final do filme. Vários dublês, entre eles Jackie, se cortam em cacos de vidro que estilhaçam das vitrines sacrificadas pela luta. · 3.Factory Fight - "Mestre Invencível" (Drunken Master II) Dessa vez o vilão é uns dos guarda-costas de Jackie na vida real, Ken Lo. Ken trabalha muito bem com as pernas e em alta velocidade, apesar de ser bastante alto. Para mim esta luta deveria estar em primeiro lugar, mas como vocês sabem, este foi um "top 10" feito pelo próprio Jackie Chan. · 4.Come Drink with Me - "Mestre Invencível" (Drunken Master) Esta é uma luta fora do comum. É bem intensa e cômica. Jackie usa sua técnica do Kung-Fu do bêbado para vencer Hwang e seu Tae Kwon Do. É uma luta bem legal, mas nem se compara com a luta em que Jackie luta bêbado em "Mestre Invencível" (Drunken Master II). · 5.Jet Fighter, Part One - "Dragões Para Sempre" (Dragons Forever) A luta aqui é bem legal. Jackie e Benny Urquidez começam se encarando, tirando seus coletes e estudando um ao outro. Depois do primeiro golpe a luta flui rapidamente, com muitos chutes giratórios, voadoras, etc. É uma ótima luta. · 6.Child's Play - "Police Story II - Codinome Radical" (Police Story II) Este é um exemplo de uma ótima luta "todos contra um", bem ao estilo de Jackie Chan. Jackie leva chutes e socos de todos os lados, depois apanha com canos de metal, e por aí vai. O engraçado é que a luta inteira acontece num parquinho, ou seja, até gangorras são usadas como armas. · 7.Monks and Amazons - "A Armadura de Deus" (Armour of God) Esta é uma luta bizarra entre Jackie e monges de um mosteiro do mal. Além disso, na cena seguinte Jackie enfrenta algumas amazonas muito loucas. O que você pode esperar dessas lutas são muitas pancadas, acrobacias e diversão, além de uma das melhores cenas de dublê no final do filme. · 8.Bar Bash - "Projeto China" (Project A) É uma ótima luta dos marinheiros (Jackie incluído) contra seus mais detestados inimigos, os policiais. Tudo isso acontece num bar, ou seja, muitas cadeiras, copos e garrafas voando. São tantas pessoas envolvidas na luta que é até difícil de acompanhar tudo o que está acontecendo. · 9.No Pain, No Gain - "O Jovem Mestre do Kung-Fu" (The Young Master) Para acabar com o vilão, Jackie vai sem perdão para cima dele. Usa seus braços, suas pernas e até sua cabeça como armas, afinal, não está sentindo dor nenhuma pois acabara de beber uma bebida alcólica. É para mim uma das melhores lutas de qualquer filme de Jackie, mas... · 10.Turbo Charged - "Um Kickboxer Muito Louco" (Armour of God II: Operation Condor) Esta é a luta mais bizarra de qualquer filme de Jackie Chan. Ele luta num túnel gigante de vento contra terroristas e deve, além de se preocupar com eles, preocupar-se com o vento fortíssimo. Tem horas em que até voa como o próprio super-homem (obviamente suspenso por cabos).
permalink

Saiba mais sobre o Jackie, confira algumas de suas entrevistas  (ENTREVISTAS) escrito em terça 12 fevereiro 2008 16:29

.:: Chan, o homem ::.

Obs.: Essa matéria é uma versão do texto original escrito por Lee Server. Ele fala um pouco do filme "A Armadura de Deus" além de retratar também a história do astro Jackie Chan.

Em um castelo na Iugoslávia rural, o herói de filmes de ação Jackie Chan estava sobre um parapeito a 40 pés do chão, pronto para saltar para uma árvore. Com sua produção de Hollywood "standard", o Diretor gritaria "corta", e a estrela voltaria ao chão e um dublê faria o salto. Mas Jackie Chan é diferente: O corajoso Ator de Hong Kong que se tornou ídolo no mundo, sempre faz as cenas perigosas de seus filmes.

"Eu não uso efeitos especiais." O ator contou recentemente para a Hong Kong Film Connection. "Eu não faço computadores" (se referindo aos efeitos especias)...Todo o mundo pode ser o Super-homem com todos aqueles efeitos... Mas ninguém pode ser...Jackie Chan"!

Bem modesto ele não é, entretanto, ele não daria muitas risadas desta cena. Atrás do castelo, Chan leva o pulo adiante, esta seria a cena mais emocionante do filme "A Armadura de Deus" (Armour of God), um Indiana Jones numa aventura sobre monges, e o melhor, ele era o Diretor.

As câmeras pegam a cena perfeitamente. Chan se lança em direção a árvore. Mas ele não consegue segurar e o galho da árvore acaba cedendo, Jackie voa para baixo, enquanto bate nos galhos da árvore. A cabeça dele faz um impacto direto com o chão. O impacto foi tão forte que parecia "foguetes". As orelhas dele sangravam e o nariz jorrava sangue. Jackie é levado pro hospital em estado grave.

"Eu salto pra fora do castelo, agarro na árvore. Uma cena fácil," ele fala para um repórter depois de ter alta do hospital, enquanto recorda a queda que quase o levou a morte. A cena seria tão fácil que a produção nem pensou numa rede de segurança.

Um acidente de trabalho como este seria um ótimo motivo para pensar em aposentadoria ou numa mudança de profissão. Mas Chan, não é como a maioria das pessoas. Não importa o tamanho do acidente, Jackie Chan volta e faz a cena novamente. Tudo bem que para a maioria dos fãs do astro, os créditos finais com os "erros de gravação" é a melhor parte do filme, mas Jackie prefere não ver o acidente denovo). Eles vêem o que aconteceu de verdade, uma perna quebrada, a pele queimada, estrondos, e ruídos. Chan e seus dublês, são "entalados" em uma ambulância, quando uma cena fácil, se torna DIFÍCIL! Tudo isso num só dia de trabalho, não é demais?. "É muito importante que eu me machuque quando etou fazendo um filme"! Chan tenta explicar. Mas você entendeu alguma coisa?

Com um sucesso tremendo por mais de uma década, tais estrelas de ação e "rivais" de Jackie como Sylvester Stallone e Jean-Claude Van Damme parecem atores de quinta. Mas durante muitos anos, as únicas pessoas na América que assistiam os filmes de Chan, eram moradores de bairros chineses e fãs de filmes de aventura. hoje, Jackie mudou tudo isso. A "Jackiemania" pegou todo mundo na América..E o Van Damme, Steven Seagal, e Amold Schwarzenegger parecem estar cansados e "mais velhos", enquanto Jackie com 48 anos continua o mesmo.

Saltar em vidros, pular de um edifício para o outro, ser arrastado atrás de ônibus, deu a Jackie Chan vários prêmios entre eles, prêmios da MTV.

Tudo começou em 1996, com o filme "Arrebentando em Nova York" que apresentou audiências milhionarias nos cinemas americanos e o mundo passou a conhecer melhor Jackie Chan. O filme tinha cenas de brigas fantásticas, e ação espetacular. E vendo o sucesso , A New Line logo lançou mais dois filmes, Thunder Bolt (Thunder Bolt - Ação sobre Rodas) e Primeiro Impacto (First Strike), mas duas super produções com Jackie Chan no papel principal, enquanto outras companhias ficavam de olho em Jackie, logo depois veio, Supercop, Crime Story, Drunken Master II (O Mestre Invencível), e Mr. Nice Guy, garantindo a presença de Chan em telas americanas durante vários anos. "Agora," Jackie diz, o mundo conhece Jackie Chan, "Jackie Chan está em todos os lugares, você vê"!

Jackie falou: "Se nos livros de cinema tiverem uma página inteira para cada um destes atores, Charlie Chaplin, John Wayne, Steven Spielberg, e apenas uma linha dedicada a Jackie Chan. Eu já estou satisfeito".

- Esta entrevista foi colocada pelo PJC, se encontrar em outro site foi copiada -


.:: Jackie Chan...Um desenho? ::.

Obs.: Essa entrevista está no fim do DVD de "As aventuras de Jackie Chan" Vol 1, a busca pelos talismãs.

Adrian/11 anos - Jackie, o que o inspirou a fazer esta série?
Quando eu era criança, eu gostava muito de desenho animado. Eu queria ser muito um personagem de desenho animado. Nos desenhos você pode fazer coisas que não fazemos na vida real. Depois de muitos, muitos anos, as crianças ainda vão lembrar de mim hoje. Meu sonho virou realidade. Sabe, eu adoro desenho animado.

Eric/11 anos - Jackie, por que você faz todas as cenas perigosas de seus filmes?
Eu fiz as cenas perigosas por tantos anos. O público vê o ator ou o "bandido" fazer todas as cenas perigosas, e então o público apalude...Então eu olho para o meu amigo: "Ei, não é o ator, sou eu!". Então eu prometi a mim mesmo, "No dia em que eu virasse ator eu faria todas as cenas perigosas". Vou me virar e o público verá que sou eu, não é um dublê. Eu também quero mostrar aos meus filhos, meus netos: "Vejam, é o seu avô. É o seu pai". Além disso, eu gosto das cenas.

Adrian/11 anos - Jackie, como mantém a forma?
O mais importante é treinar, treinar e treinar. Fazer todos os tipos de exercícios, como natação, boxe, jogar tênis, correr...É bom pra manter a forma. Lembre-se de fazer exercícios, façam exercícios e manterão a forma.

- Esta entrevista foi colocada pelo PJC, se encontrar em outro site foi copiada -


.:: A Super Máquina ::.
Como foi trabalhar de novo com Chris Tucker, seu melhor amigo?
Ele não é meu amigo. Eu o odeio (risos). Fico nervoso toda vez que tenho que contracenar com ele. Ele muda todos os diálogos. Cheguei a ponto de nem olhar mais para o roteiro. Na verdade, ficamos amigos depois do primeiro filme acabar. Como continuamos mantendo contato, as pessoas começaram a sugerir uma seqüência. Falamos a respeito, e concordamos em fazê-la. Hoje, adoro o Chris.

Você não se cansa desse gênero de filmes? Já pensou em fazer outros?
Teve uma fase em que pensei em me aposentar (risos). Quando fiz O Grande Lutador, o público americano o odiou tanto que achei que nunca mais trabalharia nos EUA. Voltei para a Ásia e filmei diversos outros projetos. Mas lembro de ter assistido a filmes de Steven Spielberg e outros do tipo Star Wars e Exterminador do Futuro. Fiquei abismado com a tecnologia, efeitos especiais, e com o fato de terem transformado uma pessoa que não tinha experiência em cenas de ação em um astro de ação. Naquele momento, achei que minha carreira estaria acabada, já que com a nova tecnologia qualquer um poderia ser um astro de ação.

O que o fez mudar de idéia?
Logo depois daquilo, Arrebentando em Nova York virou sucesso de bilheteria, e passei a receber diversos roteiros e ofertas para trabalhar nos Estados Unidos. Aí fizemos Hora do Rush, outro sucesso de público. Quando vim para a América, pensei: "oba! Agora vou poder fazer filmes com efeitos especiais". Mas a reação dos produtores e agentes foi oposta: "nós não queremos que faça esse tipo de projeto, queremos que continue com seu estilo". Eles queriam o Jackie Chan como efeito especial (risos). Até hoje, quando encontro pessoas, o reconhecimento é pelas cenas de ação. Outro dia encontrei Steven Spielberg, que veio me abraçar dizendo que seus filhos me adoravam. Ele me deu um pedaço de papel perguntando se poderia dar um autógrafo a eles. Nunca esquecerei esse dia (risos).

Vocês chegaram a conversar?
Sim. Perguntei a ele como conseguia fazer com que os dinossauros contracenassem com os seres humanos. Sua resposta foi: "É fácil! Só preciso apertar alguns botões". Aí foi a vez dele de me perguntar como conseguia pular de um prédio para outro. Minha resposta foi: "É fácil! É só rolar e pular" (risos). Só não falei que quebrei o tornozelo em uma das ocasiões (risos).

Então é o "viver perigosamente" que mantém seu entusiasmo?
É um incentivo. Vivo aperfeiçoando minha técnica e experimentando coisas novas. A verdade é que já usei e abusei de tudo que poderia em meus filmes. Hoje em dia sou consciente de que a maior parte do meu público é de jovens e até crianças. Então, tenho evitado usar palavrões. Não quero que aprendam as coisas ruins com os meus filmes. O interessante é que muitas pessoas acham que ação é sinônimo de violência. Eu não acredito em violência gratuita. Acho que a dos meus filmes não é tão negativa como em alguns filmes americanos. Se fosse, acho que a Columbia TriStar não me chamaria para fazer um desenho animado para crianças.

É verdade que você fará um filme com Steven Spielberg?
É. O título é Tuxedo. Começamos a filmar agora em Toronto. Quando nos encontramos, ele mencionou o roteiro e perguntei sobre a história, que adorei. Falei a ele: "que bom que você vai dirigi-lo". Ele me surpreendeu respondendo que não. Sua idéia seria eu mesmo dirigi-lo. Aí me assustei e, claro, falei não. O resumo é que achamos um outro diretor. Kevin Donovan, e Spielberg serão o produtor do filme.

Sobre o que é?
É uma comédia de ação sobre esse homem que ajuda pacientes em hospitais. Um dia vou à casa de um deles buscar algumas coisas, como pasta e escova de dente, e me deparo com um smoking, que resolvo vestir. É aí que a história começa. Mas paro por aí! Para saber o resto, você terá que esperar pelo filme (risos).

Você contracena com Zhang Ziyi, a heroína de O Tigre e o Dragão. Já a conhecia?
Eu a conheci na China quando ela filmava com Zhang Yimou. Na hora do casting. Brett Ratner viu a foto dela e comentou que a queria no filme. Expliquei que ela era conhecida na China e que achava difícil ela aceitar fazer o papel de vilã. Você não oferece esse tipo de papel a estrelas como ela e John Lone. Mas Brett já havia se convencido de que ela faria o filme e conseguiu que ela dissesse sim. Para nossa sorte. O Tigre e o Dragão fizeram todo esse sucesso nos EUA, e agora pessoas daqui também sabem que ela é.

Quando você começa a rodar Shangai Knight (seqüência de Shangai Noon)?
No ano que vem. Estou muito animado. Será também um Western, que começa em 1830, seguindo com minha história. Desta vez meu pai é capturado e tenho que provar sua inocência. Vou parar em Carson City. Descubro que o bandido está em Londres, e como não conheço a cidade, vou atrás de Owen Wilson, que diz ser muito rico e estar no Plaza Hotel, em Nova York. Quando chego lá, vejo que na realidade ele é o garçon, e que continua o mesmo pobretão que vive trapaceando as pessoas. E é claro que, assim que chego lá, tenho que ajudá-lo numa situação caótica, e nós dois fugimos a cavalo. Vamos para Londres, e é aí que tudo começa. O resto você tem que ver no filme (risos).

O que sonhava ser quando criança?
Meu sonho era ser duas pessoas: Super-Homem e Batman. Sempre adorei esses personagens que agem com toda a liberdade, sendo que um deles, Super-Homem, voa por todos os cantos só para ajudar as pessoas. Depois que cresci, descobri que ninguém poderia ser o Super-Homem. Que ele não existia. E pensei: como alguém poderia voar como ele? Mas o Batman!!! Esse sim poderia ser real. Qualquer um pode ser Batman. Até eu. De dia seria ator, e à noite, colocaria a máscara e sairia para correr atrás dos bandidos e, principalmente, ajudar as pessoas. Ele é meu herói.


.:: Matéria feita pela revista Veja - 1995 ::.

. Sem Dublês

Em seus filmes, Jackie Chan corre perigo de verdade.
Durante muito tempo o nome Jackie Chan só era conhecido no Brasil pelos fanáticos por artes marciais, que podiam alugar seus filmes em vídeo. Arrebentando em Nova York (Hung Fan Kui, Hong Kong, 1995), em cartaz em circuito nacional, é o primeiro lançamento em grande estilo do diretor e ator nos cinemas brasileiros. Na Ásia, Chan é um fenômeno. Aos 41 anos de idade, já fez mais de 100 filmes. Arrebentando em Nova York foi feito para conquistar o público americano. O filme teve grande desempenho: arrecadou cerca de 65 milhões de dólares, mais da metade disso nos Estados Unidos.

Nascido em Hong Kong, é uma mistura de Bruce Lee com Arnold Schwarzenegger. Faz filmes em que mescla lutas marciais com cenas de muita ação. Com um atrativo extra: ao contrário do que costuma acontecer, ele não usa efeitos especiais nem dublês. Todas as acrobacias que aparecem em seus filmes são de verdade. Em Arrebentando em Nova York, ele salta de um prédio e aterrissa no terraço de outro. Pula de uma ponte em cima de um barco em movimento. Pára uma motocicleta no braço, e assim por diante. Os fãs de Jackie Chan assistem aos seus filmes como quem vê um espetáculo de circo. Como se sabe que ele não usa dublê, a grande atração é qual acrobacia que ele irá tentar desta vez.

Freqüentemente Chan se machuca. Em Arrebentando em Nova York, ele quebrou o tornozelo pulando no tal barco (a cena do acidente é mostrada num "making off" que aparece depois dos créditos). Para ele, isso não é novidade. Já fraturou praticamente todos os ossos do corpo fazendo filmes, do crânio aos artelhos. Para além das cenas de perigo, o outro atrativo em seus filmes são as coreografias das lutas, extremamente imaginativas. A história fica em segundo plano. O enredo de Arrebentando em Nova York, aliás, é descaradamente chupado de O Vôo do Dragão, de Bruce Lee. Mesmo assim, quem for ao cinema não sentirá o sabor de coisa requentada. Chan tem estilo próprio e, diante de seus filmes, as proezas de Stallone e Schwarzenegger, sempre com o apoio de dublês e o disfarce dos efeitos especiais, parecem coisa de maricas.

Fonte: JCBR (www.jackiechanbr.cjb.net)


.:: O Maior astro de filmes de Ação do Mundo ::.

Obs.: Essa é uma versão de uma matéria feita por uma revista, que "fala dos Asiáticos mais influentes na América ", Jackie é o 7º. O Autor da matéria é desconhecido.

No segundo tiro dele ao estrelato de Hollywood, a versão Inglês-dublada de (Jackie Chan) de Hong Kong deu certo, Arrebentando em Nova York foi um sucesso. Enquanto ganhava dinheiro em cima de corações americanos e mentes (como também ganhou uma banheira de pipoca de bronze da MTV que o apresentou como "Prêmio de Realização Vitalício deles/delas") Chan seguiu seu sucesso com SuperCop, e se tornou um freqüente, e engraçado convidado em Letterman e Leno.

Curiosidade: Chan, cujo corpo já foi contundido e quebrado inumerás vezes, devido à determinação teimosa dele para fazer todos as cenas perigosas de seus filmes. Afortunadamente, ele adquiriu prestígio no cinema, e isso fez com que "deuses da ação" como Sylvester Stallone e Arnold Schwarzenegger falassem sobre trabalhar com Jackie, até Ang Lee (diretor de "O Tigre e o Dragão") falou no assunto.

- Esta entrevista foi colocada pelo PJC, se encontrar em outro site foi copiada -


.:: A Criança do Karatê (The Karate Kid) ::.

Jackie Chan e a emoção das cenas
Autor: George Wayne
Fonte de artigo: Vanity Fair (Dezembro 96)

O Astro de filmes de ação de Hong Kong Jackie Chan é o Schwarzenegger do Leste Distante, Stallone, e Van Damme ficaram chocados, considerando o tamanho da audiência asiática, ele pode ter mais fãs que todos os três juntos. GEORGE WAYNE fala com o ator, escritor, diretor, produtor, dublê, Jackie Chan. Que aponta seus próximos passos para Hollywood.

George Wayne: Seu novo filme, Primeiro Impacto, estréia mês que vem, e você há pouco embrulhou outro filme na Austrália. Como são seus papéis?
Jackie Chan: Jackie Chan sempre é policial, policial, policial. Mas agora, em meu último filme, eu sou um cozinheiro (se referindo a Mr. Nice Guy), um chefe de cozinha. Um Chefe de cozinha, bom de briga.
G.W. Está sentindo dor agora? Você está dolorido por causa das cenas de seus filmes?
J.C. Eu feri meu pescoço durante o filme. Eu caí do terceiro andar direto pro chão e perdi o tapete. Eu desmaiei durante aproximadamente três segundos, eu sempre cubro meus danos, eles assustam minha mãe. Quando ela sabe, ela chora.
G.W. Como é a sensação de perigo, de estar perto da morte, quando uma cena dá errada?
J.C. Na Iugoslávia. Eu caí de uma árvore de aproximadamente 40 metros. Essa cena parecia fácil, "um pedaço de bolo pra mim", mas me dei mal; Minhas orelhas estavam sangrando e meu nariz jorrava sangue. Os Iugoslavos não me deixavam sair do país! Finalmente, sete dias depois da cirurgia, me permitiram viajar para um Hospital americano em Paris. De Paris, eu voltei para Iugoslávia, pra filmar o que faltava. Metade da minha cabeça estava calvo.
G.W. Hollywood "roubou" idéis de seus filmes. De Stallone para Tarantino, eles "roubaram" idéias.
J.C. Eu me sinto feliz sobre isso, porque, quando eu era mais jovem, eu é que roubei idéias de filmes de Hollywood. Eu roubei de Buster Keaton, Harold Lloyd, e Gene Kelly.
G.W. Jackie você é muito reservado sobre sua vida pessoal. Você ainda está casado com Lum Fung-gew?
J.C. Nós não estamos mas casados, estamos felizes. Ela é minha namorada.
G.W. Ela é a sua namorada número 1, mas e suas outras namoradas?
J.C. [Risos] Não, nenhuma mais...
G.W. Quando você era criança na Ópera de Pequim, abusaram severamente de você?
J.C. Oh não, não. Eu tenho boas recordações . Mas eu nunca voltaria. Eu tenho um filho, e eu não o enviaria àquele tipo de escola. Se alguém fizesse alguma injustiça, o professor bateria em todo mundo. Não só nele.
G.W. Seu filho quer contracenar com você nos filmes?
J.C. Ele quer, mas eu não gosto. Porque, quando eu era muito jovem, eu não tive nenhuma educação. Eu não posso falar o inglês muito bom. Até mesmo chinês eu não posso ler ou escrever.
G.W. Você não pode ler?!
J.C. Eu não sou muito bom.
G.W. Você é analfabeto?
J.C. Eu posso ler, mas eu não posso escrever. Eu estou treinando agora.
G.W. Com que estrelas americanas você gostaria de fazer um filme?
J.C. Eu realmente quero fazer um filme com Stallone. E Steven Spielberg, e Jodie Foster.
G.W. A Jodie Foster? Por que?
J.C. Ela é uma grande atriz. Ela sabe dirigir. E atua muito bem. Algumas atrizes só são bonitas...Mas ela realmente sabe fazer cinemas.
G.W. Dos filmes que você já assistiu, qual o seu favorito?
J.C. Som da Música (Sound of the Music).
G.W. Oh meu Deus! Não é possível!! De todos os filmes ele também é meu favorito! Provavelmente porque é um dos primeiros filmes que assisti.
J.C. Assisti o filme sete vezes.
G.W. Toda vez assisto iste filme, a música me faz chorar.
J.C. Nenhum outro filme eu assisti sete vezes. Nem mesmo O Padrinho (The Godfather).
G.W. Isso é demais, Jackie, as colinas estão vivas com o som de música. Obrigado.

- Esta entrevista foi colocada pelo PJC, se encontrar em outro site foi copiada -


.:: A Persistência de "Chan" em fazer uma cena boa de verdade ::.

Jackie Chan parece distante do barulho e do caos que existe ao seu redor. A equipe está se preparando para filmar. Marceneiros colocam de volta partes de um balaústre que foi destruído na última tomada, e retocam a pintura. Os cinegrafistas checam seus complexos equipamentos, enquanto o diretor de fotografia grita com a equipe de iluminação que está na galeria suspensa. Vários dublês treinam uma intrincada seqüência em câmera lenta. Parece um balé moderno estilizado. Quando a câmera for ligada, tudo será destruído freneticamente em segundos.

“O.k.!”, Jackie diz para ninguém em particular. “Pronto para recomeçar!”

O monitor mostra o que acaba de ser filmado. Jackie achou que podia melhorar. Algo que não poderia ter visto sem a ajuda do playback do vídeo ligado diretamente a sistema de câmera, porque além de dirigir, ele é também o astro.

O s atores, dublês e a equipe perderam as contas de quantas vezes Jackie os ensaiou para estes poucos segundos de ação, mas ele repete a cena novamente como se a primeira vez.

Como ator e diretor, Jackie parece estar em todos os lugares, mas seu envolvimento vai mais além. O nome escrito nas câmeras é o mesmo que aparece nas luzes e caixas de equipamentos: Filmtech. Este nome também está escrito em três grandes caminhões “cinemobiles”, estacionados do lado de fora. Filmtech é a empresa de Jackie Chan que aluga equipamentos de produção e serviços para o cinema e produções de televisão. O canhão de luz que faz a iluminação foi equipado com um lastreador fornecido por outra companhia de Jackie Chan, a mesma que fornece iluminação aos especialistas ingleses, a Rank-Strand.

Os dublês são todos membros da Associação de Dublês de Jackie Chan, uma mistura de escola de dublês, agência de emprego e sociedade beneficente. Alguns atores e figurantes foram escolhidos através da companhia chamada Jackie’s Angels, uma agência de talentos e modelos, criada por Jackie Chan.

Jackie não é só um cineasta líder da Ásia. Ele é uma indústria! Não aconteceu do dia para a noite. Quando Jackie tinha sete anos, seus pais mudaram-se para Hong Kong para trabalhar na embaixada americana em Cancera. Jackie foi contratado junto com outros cem ou mais estudantes, para a escola de ópera chinesa de Hong Kong. Era muito diferente de La Scala. A ópera chinesa é mais Vaudeville que Verdi; uma apresentação energética de ginástica e artes marciais inserida num melodrama altamente estilizado e de decibéis elevados.

Freqüentemente a escola fornecia estudantes como dublês para filmes de Kung Fu, feitos em Hong Kong. Jackie se esforçava para que sempre fosse escolhido. “Eu adorava estar nos sets de filmagem”, relembra ele com entusiasmo típico. “Eu assistia tudo, aprendia tudo. Além disso”, diz brincando, “os escolhidos tinham mais comida.”

Não levou muito tempo até que seu talento natural chamasse a atenção de diretores. Logo estava sendo chamado para fazer cenas mais importantes. Tornou-se diretor de dublês, desenvolvendo e fazendo seqüências inteiras de ação.

Sua imaginação e senso de timing era evidente, mas havia algo além disso. Carisma? Perfil de astro? Seja qual for, era uma característica que não podia ser ignorada. Em 1976, Jackie estava demonstrando a um dublê como uma cena de morte devia ser feita, quando o diretor reconheceu esse “algo” e Jackie conseguiu seu primeiro papel como ator.

Ele apareceu em mais de doze filmes nos dois anos seguintes. Tudo ia bem, mas Jackie queria fazer mais, colocar sua marca em um filme. Ele queria dirigir. Teve esta chance em 1980, quando a Golden Harvest deu-lhe a direção de Young Master no qual também atuava e foi co-autor. Desde então, estrelou e/ou dirigiu 23 filmes e produziu dois outros: o premiado Rouge, e Actress. Durante este tempo, reinventou completamente os filmes de Kung Fu.

O que surgiu foi um gênero totalmente novo que mistura ação, aventura e comédia. Talvez com uns toques de Keaton e Chaplin, Peckinpah e Spielberg e sempre com o eterno otimismo de Capra. Mas a visão é de Jackie Chan. Alguns se tornaram clássicos e quebraram recordes de bilheteria. Entre outras coisas, Jackie é franco e aberto a críticas. Nunca perdeu sua predileção pela honestidade com tudo e com todos, e também com ele mesmo. Tanto como ator quanto diretor, ele é o seu mais duro crítico.

As exigências que faz de si mesmo no set de filmagem são iguais as de sua vida pessoal. Sempre encontra tempo em sua agenda lotada para causas nobres. Dedica tempo, talento e milhões a inúmeras causas beneficentes e projetos de serviços públicos como a Cruz Vermelha, a World Vision, a UNICEF, The Community Chest, a Children’s Cancer Fund e a Special Olympics. Em 1987, criou a Jackie Chan Charitable Foundation, que financia um grande número de projetos, hospitais e bolsas de estudos.

Há outro ponto a mencionar. A infiltração do crime organizado é um problema perene para a indústria do entretenimento, em muitos países. Jackie Chan conhece muito bem esses problemas. Sua postura corajosa com relação ao assunto rendeu-lhe o respeito da indústria e das autoridades.

Jackie está pronto.
“Silêncio!” Grita o primeiro assistente de diretor fazendo todos se calarem”, e continua:
“Preparar .... rodando!”
“Rodando!” confirma o assistente de câmera.
Neste momento, Jackie Chan está totalmente concentrado no trabalho.
“E.... ação!”

- Esta entrevista foi colocada pelo PJC, se encontrar em outro site foi copiada -


.:: Chan, Chan, Chan, Chan! ::.

Máteria feita pela Revista Herói de Dezembro de 2002 - Nº 41

Chan, Chan, Chan, Chan!
"Jackie Chan detona nos cinemas, na TV e nas locadoras."
"Nos cinemas, na TV ou nas locadoras, Jackie Chan ainda é o Rei da Ação."

Parece mentira, mas Jackie Chan já é quase um cinqüentão. Ele nasceu em Hong Kong no dia 7 de abril de 1954, ou seja, tem quase 49 anos. Enquanto qualquer mortal normal já estaria pensando na aposentadoria, ele continua mandando ver nos cinemas. É claro, sem repetir aquelas cenas ultraperigosas que ficaram famosas nos anos 80, mas ainda deixando seus fãs satisfeitos com seus malabarismos insanos. Seu mais novo filme, O Terno de Dois Bilhões de Dólares (The Tuxedo) fez pouco sucesso nos Estados Unidos, mas mostru que Chan segura bem um filme sozinho. Afinal, pouca gente deve ter ido ao cinema só pela presença de Jennifer Love Hewiit, que faz par com o herói. No próximo ano, o astro deve ter melhor sorte com a continuação de Bater ou Correr (aquela brincadeirinha em cima de filmes de faroeste, que chegará em março ao Brasil), no qual contracena com Owen Wilson. Ele também irá estrelar uma adptação do clássico A Volta ao Mundo em 80 dias, uma co-produção chinesa e americana com o comediante Lee Evans e Claire Forlani no elenco. Em 2004, ele muito provavelmente estará de volta na terceira parte de A Hora do Rush. Sem contar o desenho animado As Aventuras de Jackie Chan, que está com tudo nas manhãs da
TV Globinho. Este sujeito é incansável...

Chan no cinema - Faltou pancadaria em O Terno de Dois Bilhões de Dólares
Quem diria que um dia veríamos atores como Keanu Reeves (Matrix) e Matt Damon (A Identidade Bourne) distribuindo bordoadas com a destreza de um Jackie Chan ou Jet Li? Pois é, graças a muito treino e uma boa e fundamental ajuda dos computadores, qualquer um pode virar um autêntico mestre das artes marcias em questão de semanas. Mas o que os reis da ação pensam de tudo isso? Será que eles andam preocupados com essa invasão de leigos em seu território?
Que nada. Os mestres das artes amrcias também tentaram o inverso. Jet Li foi pioneiro e experimentou a ficção científica no bacaninha O Confronto.
Agora é a vez de Chan tentar a sorte com um filme recheado de efeitos especias. Em O Terno de Dois Bilhões de Dólares, a impressão que se tem é que o astro nem precisou suar muito para fazer suas acrobacias. O resultado dessa mistura de Inspetor Bugiganga e dos filmes de James Bond é um pouco decepcionante - principalmente para os fãs que estão acostumados às maluquice autênticas que ele costuma fazer na frente das telas. Mas o carisma do ator mantém a atenção nessa comédia de ação egraçadinha.

permalink

Acidentes  (ACIDENTES) escrito em terça 12 fevereiro 2008 16:24


Acidentes
"Os maiores acidentes de Jackie em seus filmes"


.:: Acidentes ::.
Filme: Police Story
Proeza: Pular do 1º andar
Problema: Danos nas costas

Filme: Miracles
Proeza: Giro brusco sobre veículo chinês
Problema: Fundo corte sobre olho esquerdo

Filme: Police Story
Proeza: Desviar de helicóptero em movimento
Problema: Ombro deslocado

Filme: Police story
Proeza: Desviar de sofá em movimento
Problema: Sério corte na cabeça

Filme: Operation Condor
Proeza: Segurar em corrente bem acima do solo
Problema: Osso fraturado

Filme: Project A
Proeza: Pular da torre
Problema: Sérios danos nas costas

Filme: Crime Story
Proeza: Pular entre dois carros
Problema: Danos nas pernas

Filme: Dragon lorde
Proeza: Queda de altura elevada
Problema: Ematoma na parte de trás do crânio

Filme: Police Story
Proeza: Escorregar em fio de alta tensão
Problema: Mão queimada e danos nas costas

Filme: Armour of God
Proeza: Pular do alto do castelo
Problema: Sérios ferimentos na cabeça (Foi o mais grave acidente de Jackie, quase o tirou de cena pra sempre).

Jackie se recuperando no hospial (não tenho certeza se a senhora que está segurando a mão de Jackie é da família, pensei de início que fosse sua mãe, mas não tenho certeza).
<< Veja foto
permalink

As Aventuras de Jackie Chan  (JC ADVENTURES) escrito em terça 12 fevereiro 2008 16:21

As Aventuras de Jackie Chan
"Tudo sobre o desenho do astro"

.:: Caras do Bem ::.
. JACKIE CHAN

A tarefa de parar o Shendu de se libertar de sua forma de estátua de demônio é deixado ao incomparável Jackie Chan. Através de um duro trabalho e estudo, ele tem aprendido façanhas espantosas, e luta contra o Shendu - tudo isso guardando um olho de Jade.

. JADE

É a sobrinha de Jackie, ela tem 11 anos de idade. Ela quase nunca obedece as ordens de Jackie e sempre vai com ele procurar os Talismãs, na maioria das vezes ela o salva de vários perigos. Jade é uma garota muito esperta e sempre consegue enganar todos com sua esperteza. Ela sempre quer aprender a lutar como o Jackie, mas Jackie não tem tempo para ensiná-la.
. CAPITÃO BLACK

É o comandante da Seção 13, é um agente muito ocupado tentando capturar a Mão Negra e sempre está precisando da ajuda de Jackie para completar o seu objetivo.

. TIO

Com sua grande sabedoria, o Tio ajudará bastante nas descobertas dos Talismãs, será de grande ajuda nas horas difíceis e ajudar Jackie Chan a derrotar Shendu, para que o mundo não seja destruído.
. TOHRU

Depois de uma mudança do coração, o homem-montanha, Tohru, juntou forças com seu ex-inimigo Jackie Chan. Apesar do estranhamento inicial, transformou-se num membro valioso do J-Team e um aliado confiado ao Tio.
. VÍBORA

Quando esta ladra mestre anteriormente tentou roubar não mais por muito tempo artefatos preciosos, suas habilidades vêm em boa utilidade na ocasião para Jackie e Jade.
. EL TORO

A máscara que desgasta, EL Toro Fuerte é o homem mais poderoso do México. Seu amiguinho, Paco, quase sempre está do seu lado.
. PACO

O grande deseo de Paco é quando crescer ser igual ao El Tora Fuerte. Ele será um grande amigo de Jade e com sua ajuda sempre conseguirão vencer o mal.

.:: Caras do Mal ::.
. FINN, RATSO e CHOW

Esses caras são capangas de Valmont. Eles são os caras mais engraçados do desenho, sempre estão atrás dos talismãs com a ajuda de Toruh. E também sempre estão apanhando de Jackie. Eles quase nunca se saem bem e para se darem bem sempre contam com a ajuda do Bando das Sombras.

. SHENDU

Agora um espírito preso numa estátua, ele controla a mente de Valmont e tendo que confiar na Mão Negra para conseguir os tão sonhados talismãs que deseja, para voltar a forma de antes de se tornar uma estátua e assim poder conquistar o mundo inteiro.
. VALMONT

Valmont tem mais uma vez se tornado a garantia para que Shendu volte a ser o que era antes. Lider da Mão Negra vai ajudar Shendu em busca dos talimãs com o objetivo de ganhar uma grande fortuna. Mas ele tem um problema, Jackie Chan também está atrás dos talimãs.

. BANDO DAS SOMBRAS

Os guerreiros ninjas de Shendu são infinitos na quantidade e ferozes na habilidade (mas não são capazes contra Jackie Chan). O Shadowkhan emerge das sombras para ajudar a Shendu em sua batalha para conseguir todos os talismãs e para a dominação do mundo.
. HAK FOO

Recrutado por Valmont para praticamente entrar no lugar de Tohru, porque Tohru estava fazendo tudo errado, Hak Foo está como o mais imponente dos capangas. Este mestre das artes marciais é sabido anunciando cada movimento que está a ponto de executar.

.:: Demônios ::.
. TCHANG ZU

Tchang Zu é o demônio do Trovão.

. PO KONG

Po Kong é o demônio da Montanha.

. XIAO FUNG

Xiao Fung é o demônio do Vento.

. HSI WU

Hsi Wu é o demônio do Céu.

. TSO LAN

Tso Lan é o demônio da Lua.

. DAI GUI

Dai Gui é o demônio da Terra.


.:: Episódios ::.
. Guia de Episódios
OBS.: Esses são os episódios que passaram no Cartoon Network.

1) A Mão Negra.

2) Força Interior.

3) A Máscara de "El Toro".

4) A Víbora.

5) Viagem Astral.

6) O Jogo da Carapaça.

7) Fanfarões.

8) Barra Pesada.

9) A Rocha.

10) Entre Cães e Porcos.

11) O Macaco de Jade.

12) O Tigre e o Gatinho.

13) O Dia do Dragão.


.:: Talismãs ::.
. Rato (Shu)

O Poder de mover coisas imóveis.
. Boi (Niu)

O Poder da força.
. Tigre (Hu)

O Poder de dividir personalidades.
. Coelho (Tu)

O Poder da velocidade.
. Dragão (Long)

O Poder da combustão.

. Serpente (She)

O Poder de invisibilidade.

. Cavalo (Ma)

O Poder do restabelecimento.
. Cordeiro (Yang)

O Poder da projeção astral.
. Macaco (Hou)

O Poder de transformar.
. Galo (Ji)

O Poder da levitação.
. Cão (Gou)

O Poder da imortalidade.
. Porco (Zhu)

O Poder de lançar raios pelos olhos
permalink
|

Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para jackie-chan

Precisa estar conectado para adicionar jackie-chan para os seus amigos

 
Criar um blog